Prª Bianca de Oliveira
Prª Bianca de Oliveira / Pastora
Cresci escutando a Palavra de Deus e participando dos cultos da Igreja Quadrangular, onde minha mãe já era pastora. Com nove anos, preguei pela primeira vez e desenvolvi o meu ministério desde bem cedo. Dava aulas na escola bíblica para as crianças, as quais eu adotei espiritualmente e cuidava delas como se fossem minhas, discipulando-as, conversando com os pais, orientando nos estudos. E, assim, fui nomeada para ser a presidente do Grupo Missionário de Crianças da minha igreja. Sempre dei muito valor a este cargo e me sentia com uma responsabilidade muito grande porque a igreja contava com o meu trabalho.
 
No primeiro culto que realizei, participaram mais de cem crianças, aonde normalmente não iam nem 15. Depois, as irmãs mais experientes vieram me perguntar o que eu havia feito, porque elas nunca tinham visto um culto na igreja com tantas crianças. E o que eu tinha feito? Tinha ido de casa em casa convidando as famílias, nas praças e escolas entregando convite. Hoje, muitas daquelas crianças estão firmes na igreja com suas famílias, sendo que algumas, até, já se casaram e têm filhos. Até o meu superintendente, pastor Henrique Braga, ficou impressionado e disse: “Eu sabia que você tinha chamado para o ministério”. Nunca me esqueci destas palavras e, todo dia, acordava com a certeza do chamado de Deus para minha vida.
 
Descrevi essa experiência para que possamos sempre valorizar as oportunidades que Deus nos dá para desenvolver o nosso ministério. Não ache que o que você faz é pouco ou não é reconhecido. Aquilo que você desenvolve hoje será muito importante para sua vida e seu ministério. Valorize as oportunidades que Deus tem lhe dado.
 
Quando fiz 15 anos, decidi cursar o Instituto Teológico Quadrangular. Minha mãe sempre me incentivou e apoiou as minhas decisões. Cursei, então, quatro anos e meio de ITQ. Durante este período, passei pela convenção estadual de Minas, recebi minha primeira credencial como obreira e também me formei em jornalismo.
 
Vejo que, desde a minha infância, o Senhor guiava as minhas escolhas e me dava sabedoria. Sempre tive a oportunidade de escolher. Escolher o que Deus queria para mim ou o que o EU queria e, em todas as oportunidades, fui à direção das escolhas de Deus.
 
Amo a Igreja do Evangelho Quadrangular. Nela nasci, cresci e constitui família, pois Deus me deu um marido amoroso e cuidadoso, pastor Mario de Oliveira, e filhos que alegram os nossos dias, Mario Júnio e Artur Caetano.
 
Hoje, como coordenadora nacional do Grupo Missionário de Mulheres, sinto também uma grande responsabilidade, mas quero dizer que, da mesma forma que valorizava as oportunidades dadas por Deus quando ainda era só uma criança, continuo valorizando agora. Vou fazer de tudo para atender as expectativas do Senhor para minha vida. Vamos trabalhar muito. Contem comigo, com a minha equipe, com o nosso trabalho do mesmo modo como eu conto com vocês também.